Ciranda: brincar, aprender e lutar por direitos

É necessário reconhecer as crianças como sujeitos no mundo, como sujeitos que sentem e vivenciam, à sua maneira, o que acontece ao seu redor. O crime que ocorreu no dia 5 de novembro de 2015, e que continua na vida dos(as) atingidos(as) ao longo da Bacia, não deixou de fora as crianças. Elas sentem os impactos de tudo isso e absorvem as dores e os sofrimentos causados pelos danos. Portanto, é importante acompanhar e entender de que forma elas foram atingidas.

2 Compartilhamentos

Mãos da esperança

No mês especial das crianças, realizamos uma atividade educativa com os(as) alunos(as) das escolas de Bento e Paracatu de Baixo. Dessa brincadeira nasceu um ensaio fotográfico que retrata a esperança das crianças em meio à luta dos(as) atingidos(as). Confira.

1 Compartilhamentos

O que as crianças nos ensinam

Nessa vida de luta, quem nos dá força, esperança e inspiração, com sua alegria e amor, são as crianças, os heróis e heroínas de nossas histórias

Como posso ser indenizado em Londres?

Nas últimas semanas, alguns jornais mineiros abordaram o caso de um escritório de advocacia internacional chamado SPG Law, que irá mover, em Londres, uma ação contra a BHP Billiton – uma das empresas controladoras da Samarco. Segundo as informações veiculadas, atingidos(as) de toda a Bacia do Rio Doce poderão ingressar no processo que, em caso de sucesso, indenizará as vítimas do crime de Fundão no exterior.  

Como era ser criança lá

Neste Dia das Crianças, voltamos no tempo e lembramos como foi nossa infância nas comunidades em que crescemos. Fazemos isso para preservar aquele tempo, para que outras pessoas conheçam nossas histórias e para que nossa memória não se perca por culpa das empresas (Samarco/Vale/BHP Billiton).

1 Compartilhamentos

O que fazíamos para as crianças

A união dos(as) moradores(as) de Gesteira era o que garantia a comemoração do Dia das Crianças na comunidade. A iniciativa veio de Beatriz Helena, que decidiu passar de porta em porta pedindo doações para preparar um almoço para os(as) pequenos(as).

Editorial (outubro/2018)

O que nós, adultos, podemos aprender com as crianças? O que será que aqueles pequeninos e pequeninas podem nos ensinar com suas experiências e descobertas vividas cotidianamente? Será que, mesmo na correria do dia a dia, temos parado para observar como eles(as) têm vivido e conhecido coisas novas? E nós, o que temos aprendido com os mais jovens?

1 Compartilhamentos

O que fazer com a minha indenização?

O Observatório C.A.F.É, do curso de Administração da UFOP, realizou uma atividade para os(as) atingidos(as) sobre como administrar melhor o valor da indenização a que eles(as) têm direito. A partir disso, listamos algumas dicas a respeito de cuidados financeiros e estratégias de organização para o futuro

CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend