Uma festa espiritual

Acostumados com os festejos do dia de São Bento na comunidade, os moradores de Bento Rodrigues foram, pouco a pouco, se adaptando às mudanças da celebração após o rompimento da barragem de Fundão. Mesmo dividida entre a cidade de Mariana e a comunidade do Bento, a festa nunca deixou de acontecer. A devoção ao padroeiro é um sentimento íntimo e pessoal, mas, quando compartilhado, reforça ainda mais a união dos(as) atingidos(as) e a força da fé para que sigam persistentes na luta. Neste ano, foi a vez da pandemia modificar a forma como os devotos festejam o dia de São Bento, comemorado em 11 de julho. Devido às medidas de distanciamento social, não puderam se reunir e a missa foi celebrada virtualmente, pelas redes sociais.

Por Cláudia de Fátima Alves, Padre Enzo dos Santos e Rosilene Gonçalves da Silva

Com o apoio de Joice Valverde e Juliana Carvalho

Imagem da Festa de São Bento, realizada em 2017, em Bento Rodrigues.

Dos dias oito a nove de julho, celebramos um Tríduo, preparando-nos para a celebração maior, no dia 11 – dia dedicado a São Bento. Neste ano, por causa da pandemia de Covid-19, não foi possível reunir os devotos, especialmente os da comunidade de Bento Rodrigues. Por esse motivo, celebramos através das redes sociais e, desse modo, conseguimos chegar à casa de muitas famílias. 

As celebrações religiosas são comemorações de pessoas, fatos ou mistérios que, ao manifestarem publicamente as convicções religiosas de um grupo social, fortalecem a pertença de cada pessoa ao grupo dos que comungam das mesmas convicções religiosas. Celebrar São Bento é reforçar a identidade e a pertença a uma família especial que, apesar das provações pelas quais passou e passa, continua com o firme propósito de se manter fiel à sua raiz religiosa, geográfica, afetiva.

Não foi possível a presença física dos membros da comunidade, mas, certamente, a fé e a esperança de dias melhores uniram a todos naqueles dias tão especiais. Que São Bento continue trazendo muitas bênçãos para todos os que continuam na caminhada e na luta pela fraternidade e pela justiça.

Padre Enzo dos Santos, Pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus

Imagem da Festa de São Bento, realizada em 2017, em Bento Rodrigues.

A festa de São Bento, padroeiro da nossa comunidade, era o momento mais esperado para nós. A comunidade se envolvia. Desde que viemos pra Mariana, tudo mudou, a festa não aconteceu mais como de costume, a participação não foi mais a mesma, devido à situação, à distância das famílias alocadas na cidade, em bairros diferentes, dentre outras situações. Mesmo assim, a festa não deixou de acontecer. Nos últimos cinco anos, celebramos o Tríduo de São Bento, sendo dois dias aqui na cidade e dois dias em nossa comunidade de origem, Bento Rodrigues. Todos que tivessem interesse e disponibilidade de participar, assim o faziam, pois muitas pessoas de Bento não se sentem bem indo nas ruínas da comunidade, as recordações são ruins. 

Neste ano, a Festa do Nosso Padroeiro São Bento foi diferente, devido à situação que o mundo está vivendo por ocasião da pandemia da Covid-19. Foi realizado o Tríduo de São Bento sem a participação presencial da comunidade. As celebrações aconteceram através das redes sociais da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus (Facebook e YouTube). No dia 11, dia dedicado a São Bento, o Coral da Comunidade fez um vídeo em homenagem ao Padroeiro. Assim, aconteceu nossa festa esse ano. São Bento não ficou esquecido.

Cláudia de Fátima Alves, moradora de Bento Rodrigues

Registro da comemoração do dia de São Bento, em 2016.

São Bento quis que lutemos pela vida e humildade, pois tudo que está aqui pertence a Deus e não aos homens. O dia de São Bento é muito importante pra nossa comunidade. São Bento é festejado duas vezes no ano. Em nossa comunidade, a festa é em julho. Nós, que moramos em Bento Rodrigues, temos o privilégio de tê-lo como padroeiro, esse santo tão querido e amado, íntimo de Deus. 

Não tem como dizer como é a fé, porque ela nasce de dentro pra fora, é algo que não se explica, é algo que se sente, é algo que é capaz de mudar o que se pensa e o que se faz. É muito bom.

A devoção a São Bento nos faz acreditar naquilo que é sagrado, naquilo que é invisível. São Bento foi todo de Deus, não aceitou viver num lugar de baderna, bebedeira, gritaria, maldade, riqueza de bens materiais etc. Ainda jovem, deixou tudo, pois o mundo que procurava não é onde ele estava, mas o que Deus havia preparado para ele. A importância dessa devoção é que podemos ver que somos capazes de, mesmo sem entender nada de santidade, buscarmos  imitá-lo na fé.

Eu me tornei devota de São Bento quando um padre falou assim, em uma missa: “alguém aqui sabe por que este santo está como padroeiro?”. Ninguém respondeu. Daí eu quis saber quem era São Bento. Comecei pela medalha e seus significados. Fazer o uso da medalha de São Bento nos livra e afasta de todo mal, visível e invisível. São Bento nos ensina a ter paciência, a fazer silêncio para se  encontrar consigo mesmo, no amor em Cristo. Nos ensina que se deve trabalhar, orar e sermos caridosos um com o outro.

Durante esse tempo em que estamos em Mariana, está muito difícil  festejar São Bento com a comunidade. Estamos espalhados em cada bairro da cidade. A comunidade não se reúne toda. Mesmo que tenhamos fé, os obstáculos estão enormes e nos impedem de nos encontrarmos pessoalmente. Rimos, cantamos, choramos, nos divertimos, pois a vida tem de andar e o que sentimos ninguém mais vai sentir, nem os que vierem depois. É um sentimento que nos une na fé, que nos fortalece, mesmo com tanta dor e perdas que temos.

Nesse ano foi ainda mais doloroso celebrar, devido à pandemia. Celebramos em casa, cada um com sua própria família. Participamos pelas redes sociais. Irmãos de outras comunidade da paróquia, com o Padre Enzo e os diáconos Robson e Vicente, celebraram por nós. Participei todos os dias.

Digo que não foi nada bom, pois a comunidade se viu em fevereiro e não tivemos mais missas presenciais. Saber que íamos celebrar assim foi muito doloroso. Quando, na missa, o padre disse “cantemos”, aquilo entrou tão profundo, pois não tinha ninguém da comunidade na missa presencial.

A vontade era de estar lá também. Essa mudança veio sem que esperássemos  por ela. Nós, que já estamos isolados há quase cinco anos, que já estamos longe um do outro e, agora, também da família, temos que nos inspirar em São Bento e pedir que nos ensine a viver esse tempo de provações com mais aprendizado e fé, assim como ele viveu isolado de tudo e suportou com mais amor ainda. Peço a São Bento que nos ajude a suportar o que ainda está por  vir.

Durante todo esse tempo em que estamos aqui já não estava bom celebrar em um local que não é nosso, que não tem a nossa tradição. A cultura se abalou, a comunidade está abalada. Sabemos que a igreja é cada um e essa igreja está de pé. Não temos um templo ainda, mas temos uma igreja construída e esta ninguém nos tira, só fortalece. Quando estamos juntos, é a melhor coisa que acontece. Não foi possível neste ano, espero que estejamos todos juntos no ano que vem. 

Muitos de nossos irmãos já estão com Deus e deixaram saudades, muita saudades. Tiveram pessoas que perguntaram pela festa, e foi muito doloroso dizer que as celebrações não seriam presenciais. Neste ano, a festa de São Bento foi espiritual. São Bento, rogai por nós.

Rosilene Gonçalves da Silva, moradora de Bento Rodrigues

Registro da comemoração do dia de São Bento, em 2016.
Ainda não há comentários

Os comentários estão fechados

CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend