Brincar com arte

Por João Francisco Brittes

A arte nos faz olhar para o cotidiano e ver além do que as aparências mostram. Cada artista retrata o que vive de acordo com a forma com a qual é tocado pela realidade. Nós também podemos ser artistas, contar nossa própria história, expressar o que vemos e vivemos do nosso jeito. Nesta edição, trazemos uma página interativa para estimular a criatividade e soltar o artista que há na gente.

Poça de água – Xilogravura, 1952

Mauritis Cornelis Escher foi um artista holandês que gostava de trabalhar com a imaginação e a ilusão de ótica, usando imagens que confundem a visão humana. Mas, para isso, ele não fazia pinturas e, sim, xilogravuras, que são imagens feitas em um molde de madeira que, depois, são transferidas para o papel. Essa é uma técnica muito antiga porque, antes de inventarem as máquinas impressoras, as gravuras tinham a função de reproduzir uma imagem ou um texto. Nesta xilogravura, Escher usou uma imagem na qual é possível ver duas perspectivas: a lama e o reflexo da água.

O que esta imagem traz para você? Quais sentimentos ou lembranças vem à sua mente?

Participe! Escreva e envie um pequeno texto para o Jornal A SIRENE através do e-mail: jornalasirene@gmail.com ou entregue na nossa sede, localizada na Rua Wenceslau Braz, 738 ap 2.

COMENTE

Ainda não há comentários

Os comentários estão fechados

CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend