O futebol feminino do Unidos de Bento Rodrigues

O time feminino de futebol Unidos de Bento Rodrigues (U.B.R.) segue resistindo aos desafios impostos e busca mais investimentos para manter a prática do esporte. Na edição 39, o Jornal A SIRENE trouxe, em um ensaio, algumas das medalhas e alguns dos troféus conquistados pela equipe e ressaltou o quanto o futebol é importante para a história e a união da comunidade. Em “O que me faz bem”, título do ensaio, Larissa expressou a força do futebol em sua vida, um sinônimo de conforto e de resistência. Ela, como responsável pelo time, nos apresenta agora um novo cenário. O projeto de investir na melhora da organização da equipe, na estrutura de treinamento, em equipamentos e em transporte foi interrompido pela pandemia e, agora, as jogadoras estão há quase um ano sem treinar. É no esporte que as atletas do U.B.R. resgatam os momentos de encontro e de convivência em comunidade.

Por Larissa Sena

Com o apoio de Joice Valverde

Foto: Tainara Torres

Dificuldade a gente tem em questão de equipamento e até de um lugar específico mesmo pra treinar. O treino da gente era jogo que marcávamos todos os finais de semana. Só que aí veio a pandemia e parou tudo. No ano passado, a gente nem jogou, depois de março, saíram decretos de não funcionar quadra ou campo esportivo. O pessoal também já não liberava transporte pra gente. Aí dificultou mais ainda e a gente super entendia, porque não iam liberar transporte sabendo que estava colocando a vida da gente em risco. Já tem um ano que a gente está parada, contando pra ver se essa fase ruim passa.

Foto: Joice Valverde

Antes da pandemia, eu tinha até um projeto com o Bento, sabe? Eu falei que, em 2020, ano passado, queria fazer uma coisa mais reforçada. Do jeito que estava não estava ruim. A gente jogava, participava de torneios, ganhamos bastante títulos pelo Bento. Só que algumas coisas eu não concordava, por exemplo, a gente entrava em torneio e não tinha como treinar. Pra mim, era muito difícil, porque, além de ser responsável geral do time, eu ainda jogava. E eu gosto de jogar bola, só que estava achando muito pesado pra mim. Então, estava com esse projeto de conseguir uma pessoa responsável pelo time e eu conseguir jogar melhor. 

Mas aí não deu pra fazer isso, porque veio a pandemia. Tá sendo bem difícil, pra todas nós, convivermos com essa situação, ainda mais a gente que era acostumada a, em todo final de semana, sair para outras cidades pra jogar futebol. Agora, vamos esperar a pandemia passar pra fazer um trabalho melhor com as meninas da equipe do Bento.

Larissa Sena, jogadora do Unidos de Bento Rodrigues]

Continue a leitura: cinco anos do Jornal A SIRENE III – As igrejas são o nosso ponto de apoio

CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend