Papo de cumadres: lama que mata

(Foto: Flávio Ribeiro/Jornal A Sirene)

– Consebida diz: Cumadre, cê viu o ri Gualaxu, tá suju pra diachu.

– Já se faz mais de dois anus, e as água continua sujanu.

– É a lama da bêrada que, com a chuva, pru ri tá senu carriada.

– O rompimentu foi uma facada, matô muita gente e dexô ôtras aleijada.

– Essa lama da bêrada, que tá senu carriada, é ôtra facada nas nossas caras.

– É mês, cumadi, na nossa cara a facada é na alma um corte.

– Eu óiu pru Gualaxu du Norte e ainda sintu cheiru de morte, da natureza e das pessoa que num tiveru sorte.

– Veja só u que eu tô ti contanu, quandu a genti acha que tá tudu acabanu, vem a sirene tocanu e a nós tudu angustianu.

– Eu tinha até isquicidu da tar barrage de Germanu, e a Samarcu vorta com a sirene tocanu e nus crucificanu.

– Comu eu tava ti falanu, todu dia dez a sirene vai tá tocanu, e issu pode acabar nus matanu. A gente vai sempre a sirene iscutanu e a triteza dentru du peitu gardanu. A psicóloga disse que podemus acabar infartanu.

– Ocê consegue intendê, é mais duença que a Samarcu tá crianu, todas as ôtras duença num tá bastanu.

– Agora, cumadi, ocê pode tá mi falanu, até quandu nós issu tudu vamu tá aguentanu?

– Num sei, cumadre, mas eu peçu a Deus todo dia pra ficá nus guardanu.

Ainda não há comentários

Os comentários estão fechados

CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend