Papo de cumadres: o Rio da Regeneração

Por Sérgio Papagaio

Foto Wandeir Campos

As duas comadres, Consebida e Clemilda, estão perplexas com o aumento dos problemas causados pelo rompimento da barragem de Fundão e sonham com o reconhecimento dos atingidos, com o Rio Doce e sua regeneração.

– Cumadre Clemilda, onti eu tivi um sonhu, sonhei que u Rio Doce era a saúde e todus us afruente que nele ia disaguá, era um mal: pra saúde piorá.

– Cumade minha fia de Deus, nós parece que é uma só, eu também sonhei com o Rio Doce mais dun jeitu miô, nu meu sonhu cada afruente que via, era a solução dus pobrema, dus sonhu da cumade Consebida.

– U meu sonhu era de mardição, u seu, de benção e sarvação, sonhei que sua mãe chorava de dor e compaxão, de ver o Riu Doce sofrendu tamanha contaminação.

– Nu sonhu que eu sonhei, as lágrima de minha mãe e de todas as outras mãe, num eram lágrima não, eram águas que Deus mandava pra terra, assim como Jesus naceu de Maria, pra trazer a sarvação, Deus iscolheu as mãe, pra lavar do riu toda esta mardição.

– Oia que sonhu ruin de sonhá, sonhei que us indiu lá de areiá, nun tinha nem um pedaçinhu de terra pra ês podê mora.

– Pois eu sonhei um sonhu de emocionar, onde Paulo patachó recebe du céu uma orde só e um documentu maior, a posse de todas as terra, e passa a José Barcelos cacique lá de areia, o direitu de cada pedassu de terra, a uma audeia indigina intregá, mas u que me fez chorá, foi quandu Barcelos deu a mestre Boi u paper das terras de todos us negru que há, e disse: Oxalá mandou entregar.

– Este foi um sonhu de arepiá, sonhei que as mãe de todu lugar, nu centru da terra foi morá.

– Sonhei que todas as mãe, du úteru da mãe terra brotava, dandu luz a um afruente do riu grande do amor, que ao desaguar nu Doce, todas as água desta vida se regenerou, e u Riu Doce agora impoderadu, rompe as corrente du mal e juntos, brancos, indius, negrus e todu pessoal trazidus pra sua foz, para que as águas do Doce, agora podendu amar, possa todu u povu purificar.

– Eu sonhei que pumode a contaminação, não havia mais canção e até us pássaru ao se contaminá nun pudia mais cantá.

– O urtimo sonho que tive compretô a regeneração, numa grande orquestrada, as alma foram todas lavada, por uma musgua tocada pela passarada e cantada pelo mestre Farinhada.

COMENTE

Ainda não há comentários

Os comentários estão fechados

CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend