As barragens que nos furtam direitos

Consebida e Clemilda estão cada dia mais apavoradas, com tantas barragens de tantas naturezas diferentes, mas que nos furta direitos com igual teor.

Por Sérgio Papagaio

– Cumadre Clemilda, eu tô muitu assustada com tantas barrage que tão pra ser istorada.
– Eu também tô percupanu, Não só com as barrage que istoraru, mais também com as que tão istoranu e com tantas sirene tocanu, eu ficu pensando aqui por dentru, a sirene só toca ondi num teve rompimentu.
– Eu pensei que a lama vinha só da mineração, num sabia que tava misturada com essa tar currupção.
– Pois então, achei que a justiça ia sirvi pra tirá nois deste siriri, mas a justiça ês ta usanu é pra fazê crime dibaxu dus panu.
– Este é u nossu maió danu. Todu dia tem um pobrema que vai nus matanu.
– Sê sabe que eu tenhu menus medu da barrage de Germanu, duque de muitu destes ser humanu.
– Intão, num era issu que eu tava ti falanu, Se u home num tivesse u oiu maiô que u coração, num teria tanta currupção, e se a ganância num cegasse u fulanu, as vez enchergasse, este mundo duidu e pirdidu, é a herança maiô, quês vai dexá prus netu e fiu.
– Quandu oiu pru cristu crussificadu e veju tantu sangue dispirdiçadu, eu tenhu me perguntadu: dianti deste grande pobrema, terá, meu Deus, validu a pena?

COMENTE

Ainda não há comentários

Os comentários estão fechados

CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend