Papo de Cumadres: o desastre da reparação

Foto: Joice Valverde

Consebida e Clemilda, depois de muito observar constataram que a Renova não consegue um dano repara, sem outro dano causar.

Por Sérgio Papagaio

 

– Cumadre Clemilda eu me coloquei a repará ês num conseque cunsertá uma coisa sem uma outra coisa trapaiá.

– E já tem muito tempu que tô obiservanu ês ta mais trapaianu du que cunsertanu põe sintidu nu que eu tô falanu ês passa com us caminhão com materiá pra fazê reparação e nas istrada, carsa distruição, es as rua todo dia tão  cunsertanu e acaba que num fica bão e nu outro dia torna a metê a mão.

– Cumadre é tantu carru dês nas rua, que nois que é morado tem dificurdade até pra nossus carru pará . 

– Como disse cumpede Ermínio, se cada caminhonete que vem todo dia pra Barra Longa, vortasse pra mariana com a carroceria cheia de rejeito, nossas bera de rio já tava bacana e desse jeitu num tinha em Barra Longa nem mais um tiquin de rejeitu.

– Eu tô muitu assustada com tanta trapaiada se tivesse boa vontade nossa cidade já tava toda cunsertada, mas ês num qué istu não, fingi fazê reparação mais acaba é duecenu a população, cada dia tem cunsertu outra vês,  de uma obra marvada que outru dia mesmu já tinha sidu cunsertada.  

– As vês eu começu a pensá será que ês num tá é quere nus cansá. Com tantu trabaiu pirdidu pamode nóis disanimá.

– Então cumadre ocê pra ês pode falá que nós tá acustumada é com as coisa pesada, purtantu nós vai resisti e nada duque ês fizé vai nus fazê disisti. 

COMENTE

Ainda não há comentários

Os comentários estão fechados

CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend