Papo de Cumadres: a defesa de Gaia

Consebida e Clemilda estão entendendo, depois de tantas coisas que observaram, escutaram e leram de várias pessoas e de vários filósofos, que a terra é um organismo vivo.

Por Sérgio Papagaio

– Cumadre Clemilda eu li na mitologia que a mãe terra se chamava Gaia.

– Isto Consebida Vô Necu sempre falava, também ele dizia que tinha um home da filosofia que iscreveu,  a terra ou Gaia é um ser vivo igual a ocê e eu.

– Pois é minha fia eu vi na intelnet outro dia, um rapaz que dizia que a terra era um olganismo vivu com todas as função vitá  que um ser vivu pricisa pra vida levá.

– Nois deve ter vistu u mesmu rapaz falá, u nome dele agora num vô me alembrá, mas ele disse que a terra tá duente com tanta agressão e tantu poluente e o grande mal da terra, samos nois, as gente. 

– Cumadre, dispois deste crime que a Samarcu e a vale chama de acidente, noís comecemos a ver coisa que num sabia que existia, quase tudu quês faz com a terra, é agressão, ês corta a terra pra tirá mineriu e mineral, fazendu a terra sangrá e as grandes empresa jogá fumaça nu ar, levanu a terra a sufocá, polui seus rius e seus Vale, conforme faz a vale, rompimentu de barrage, distruindu u que mãe terra tem de mais lindu.

– Por istu passu a acreditá, que as grande epidemia du passadu, era Gaia que se defendia du seu únicu vírus mortá, u ser humanu que a sua supelfice veio abitá, e u novo coronavírus, conforme disse o rapaz, pode ser uma defesa que Gaia e sua natureza fez cria, pamode combater todas as duença que a maior praga da terra, us seres humanu veio lhe carsar.    

– Só tenhu uma triteza danada que agora vou lhe contá , nois  é iguar us índius  que sempre da terra só fez cuidá, morava lá na  roça sem nunca a mãe terra machucá, dispois que u rompimentu da barragem da Samarcu tirô nois de lá, nois misturô na cidade nu meio de tanta pervecidade, só rogu a Deus, que Gaia nu meio desta guerra, saiba recunhecê nois cumadre, que sempre cuidô da terra.

CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend