Tag: Vale

Dois Vales, o mesmo crime, da mesma vale

As duas comadres, Consebida e Clemilda, tiveram uma alegria muito grande por receber em Barra Longa os(as) atingidos(as) pelo crime da Vale, em Brumadinho. Apesar da dor, puderam sorrir mesmo com lágrimas nos olhos.

Qual é a voz do(a) atingido(a)?

Depois de mais de um ano de publicação do A Sirene, a Renova também criou seu jornal para fazer publicidade para a própria Renova/empresas. Nós não reconhecemos essas publicações.

10 Compartilhamentos

Atingidos(as) antes do rompimento | Início

Nesta edição, o Jornal A SIRENE foi até as comunidades de Barão de Cocais e Antônio Pereira entender a realidade dessas pessoas que sofrem com o risco de rompimento de barragens e o descaso da mineradora Vale. A empresa atua de forma irresponsável ao deixar os(as) moradores(as) desinformados(as). Essas comunidades são atingidas antes de qualquer rompimento porque suas principais preocupações são causadas pela Vale.

37 Compartilhamentos

O crime se repete

Mais uma vez, as sirenes não tocaram. E as mineradoras nunca sofrem as consequências, mas, sim, as comunidades atingidas. Hoje, parte de Córrego do Feijão, zona rural de Brumadinho, está enterrada debaixo da lama de rejeitos da Vale, e outra parte precisa lidar com a perda de familiares e amigos, e com um cotidiano que, antes, não era cercado por lama.

104 Compartilhamentos

Mães atingidas

No mês de maio comemoramos o Dia das Mães. Para marcar esta data, o Jornal A SIRENE traz as histórias dessas mulheres que precisam encarar os desafios da maternidade e que, ao mesmo tempo, lidam com as dificuldades de serem atingidas.

153 Compartilhamentos

Editorial (julho/2018)

Os laços que nos unem como comunidades sempre vão existir, pois nós cuidamos da nossa gente e, mesmo que o cansaço insista em nos enfraquecer, não deixamos de continuar.

1 Compartilhamentos

O que eles querem ver?

A Fundação Renova tem utilizado a reparação aos danos causados às vitimas como uma maneira de realizar propaganda de si mesma. Ao oferecer visitas aos terrenos das comunidades e expor maquetes do reassentamento, a Fundação cria o “turismo da desgraça”

20 Compartilhamentos
CADASTRE-SE NA NEWSLETTER

Send this to a friend