Saberes que continuam: O pastel de Dona Laura

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Por Carla Gomes Barbosa e Laura Barbosa (Dona Laura)

Com o apoio e imagens de Wandeir Campos

O Jornal A SIRENE traz, a partir deste mês, uma série de histórias que dizem sobre os saberes de moradores das comunidades atingidas e suas relações com as tradições culturais desses lugares. Esses ofícios, hábitos e vivências revelam a importância de se falar da união desses povos e de fazer um resgate de suas memórias, para que, a cada mês, possamos também aprender com eles alguns dos seus melhores e mais valiosos ensinamentos.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row css=”.vc_custom_1525125009205{margin-top: 24px !important;}”][vc_column][vc_column_text]

“O pastel de Dona Laura”

Dona Laura tem 83 anos, nasceu em Paracatu de Baixo, e tem um filho e uma neta. Desses 83, mais de 50 anos foram dedicados a fazer aquilo que dá origem à sua fama, o pastel.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row css=”.vc_custom_1525125795142{margin-top: 24px !important;}”][vc_column][vc_raw_html]JTNDY2VudGVyJTNFJTBBJTNDaWZyYW1lJTIwd2lkdGglM0QlMjI1NjAlMjIlMjBoZWlnaHQlM0QlMjIzMTUlMjIlMjBzcmMlM0QlMjJodHRwcyUzQSUyRiUyRnd3dy55b3V0dWJlLmNvbSUyRmVtYmVkJTJGMDFJYUFCQ3N6X1UlMjIlMjBmcmFtZWJvcmRlciUzRCUyMjAlMjIlMjBhbGxvdyUzRCUyMmF1dG9wbGF5JTNCJTIwZW5jcnlwdGVkLW1lZGlhJTIyJTIwYWxsb3dmdWxsc2NyZWVuJTNFJTNDJTJGaWZyYW1lJTNFJTBBJTNDJTJGY2VudGVyJTNF[/vc_raw_html][/vc_column][/vc_row][vc_row css=”.vc_custom_1525124952011{margin-top: 24px !important;}”][vc_column][thb_border][vc_column_text]Essa receita aí é da minha cabeça mesmo,

ninguém me ensinou.

Quando casei, meu marido tinha o comércio, né,

aí que comecei a fazer os pastéis,

há 50 anos.

 

Passava muita gente lá.

A pé: viajantes, povo de Paracatu.

Bem depois, de ônibus.

Faziam encomendas

e o meu pastel andava por todo lado.

 

Fazia de manhã e à tarde também.

Eu tinha a quitanda e o pessoal ia tomar café.

O povo da roça sempre passava no fim de tarde.

 

Acordava cedo e logo já pegava a farinha, a água e o sal.

A massa não tem ovo não.

Depois abria a massa, colocava o recheio.

Pastel de carne e queijo.

Meu preferido é o de queijo.

Fritava,

vendia.

Naquela época, era 1 real, não, lembrei, 50 centavos.

 

[Muita coisa ficou lá debaixo da lama, né

minhas louças,

presentes de casamento,

o que ficou, ficou

o que sobrou, fomos nós].

Dona Laura, moradora de Paracatu de Baixo

[/vc_column_text][/thb_border][/vc_column][/vc_row][vc_row css=”.vc_custom_1525124940454{margin-top: 24px !important;}”][vc_column][vc_column_text]Depois do rompimento da barragem de Fundão, Dona Laura precisou se mudar para o distrito de Padre Viegas, em Mariana, com o filho Carlos e a neta Carla. Esta se tornou sua sucessora e carrega a tradição da receita do pastel da avó.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row css=”.vc_custom_1525124926094{margin-top: 24px !important;}”][vc_column][thb_border][vc_column_text]Eu comecei a fazer os pastéis

quando minha avó ficou doente,

um pouco antes do rompimento.

Ela arrumou um problema na perna e

não dava mais conta de fazer os pastéis.

Aí o meu pai disse pra eu fazer.

 

Minha avó Laura

foi quem me passou a receita.

No início, tive dificuldade, achei que não iria dar conta.

Até que fui fazendo,

de pouco a pouco,

e fui acertando o jeito de fazer a massa.

 

Hoje em dia, nem preciso medir

os ingredientes para fazer.

Acordo cedinho aos finais de semana,

entro pela porta do fundo do bar,

ponho a touca na cabeça e começo

a fazer os mais de 50 pastéis com a receita de vovó.

 

Num instante eles são vendidos.

Fico orgulhosa de continuar essa tradição.

Carla Gomes Barbosa, moradora de Paracatu de Baixo

[/vc_column_text][/thb_border][/vc_column][/vc_row]