Papo de Cumadres: Gaia continua braba

Hoje faz um ano que as comadres Consebida e Clemilda desenrolaram uma prosa na qual elas alegavam que o coronavírus era a defesa de Gaia contra o ser humano, seu único vírus mortal.

Por Sérgio Papagaio

– Cumadre Clemilda eu tava oianu aqui hoje minha fia, faz um anu que nois duas tava prosianu sobre a brabeza de Gaia, nois duas falava que u tar coronavírus era a defesa de Gaia contra u ser humanu que pra ela é uma duença, que sempre desde muitu tempu u mal vem lhe carsanu.

– Ah cumade minina de Jesus eu achu que quandu Deus fez nois duas ele deixou um fiu ligadu na minha cabeça e na sua, lá de longe eu vi ocê e vim aqui só priguntá se de nossa prosa ocê ia se alembrá, mas eu já to venu que apesá de passa um anu ocê num tá isquecenu.

– Cumadre parece que u diabo prantô uma muda de mardade igual laranja de enxerto, num gaio deu rompimento, nu outru negação de direitu e sufrimentu, nu outru deu a flô du tormentu mas num disabrocha u reassentamentu, indenização ta num gaio com umas poucas frutinha, uma ponta du gaio ês foi cortanu e u restu du gaio que sobrô parece ta muchanu.

– É cumade meu grande medu nesta pranta da mardade e qui u gaiu do corona ta numa vivacidade só e cada dia que passa ele fica maior semeanu duença nu ventu comu se fosse pó e pra curá este mar é pricisu vaciná, as vez eu pensu que a vacinação é também um siuviçu feitu pela fundação, a gente ispera ispera e a vacina num chega não.

– Por pior que eu acho que seja essa mardição, vacinação ô reparação, ês sempri diz que a curpa num é dês não, mas a grande veldade, guveunu ou fundação é que ês qué acaba com us atingidu e us pobre desta nação, e Gaia sofre nas veias de água corrente todos us males que ês chama de acidente.