Papo de cumadres: a novela da reparação

Um chapéu pendurado e três bengalas apoiadas na parede

Concebida e Clemilda mais uma vez prosiando sobre a demora da reparação, o papel da Justiça e a participação do poder público.

– Cumadre Clemilda, cê veja só, tá fazenu 6 anos e 4 mês e, sobre a reparação, eu num recibi nada não.

– A única coisa que eu vi chegá peutu de nois foi um tar de novel criadu pelo juiz Mário na 12ª Vara, mas quandu ia pagá ês, tiraru ele de lá.

 – A prefeitura de Barra Longa fez uma reunião pra este assuntu tratá. Ês tava querenu juntá tudu enquantu era adivogadu que tá na cidade, mais a população, pra ir nus cabiçudu pedi explicação porque ês tiraru u juiz Dr. Mário du casu sem tê outro para dá a devida continuação.

– Cumadi, minina de Deus, de tudu enquantu foi ladu os atingidu, e us prefeitu du fórum dus prefeitu, com muita gente fazenu preção, apeutanu us cabiçudus, que sem tê pra onde corrê, vorto com u Dr. Mário, que ta fazendu u trem du pagamentu corrê. Lá em Mariana mandô pagá 143 famia.

 – Ele assinô o planu de saúde de Barra Longa que tava encaiado lá com a Renova e agora a prefeitura vai ter mais dinheiru para arcá com um planu que num é u que nois contruímus, é um triste acordu que a gestão passada deu uma abaixada pamode a Renova muntá e já saiu uma lista com 63 nomes de gente de Barra Longa pra Renova pagá.

– Cumade, minina de Deus, eu cá du meu canto tem sempré observadu, quandu u povo se une com as graças de Deus e nosso sinhô Jesus Cristu pamode uma coisa buscá, não há nenhuma força du mal que possa fazê pará.