Chuva, mineração e tragédia em Barra Longa

Barranco deslizado sobre estrada de terra

As fortes chuvas que assolaram os estados da Bahia e de Minas Gerais no início de 2022 levaram terror à população mineira e às pessoas atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão. Em Nova Lima, mais uma barragem da mineração, na mina Pau Branco, da Vallourec, ameaçou se romper e despejou lama na BR-040 quando seu dique transbordou. Em Pará de Minas, a barragem da Usina do Carioca também quase se rompeu. Em Congonhas, o povo vive com medo da barragem Casa de Pedra, da Vale, que teve a estrutura abalada.

Por Greisso Anderson

Com o apoio de Sérgio Papagaio e Karina Gomes Barbosa

Barranco deslizado em Barra Longa
Foto: Sérgio Papagaio

E foi assim também em toda a bacia do rio Doce: mais uma vez, as tempestades deixaram as pessoas atingidas pela barragem da Samarco e de suas controladoras, Vale e BHP, em situação de calamidade.

Barra Longa, logo abaixo de Mariana, a única cidade da bacia atingida no centro e em toda sua parte baixa pela lama da barragem da Samarco, se viu, novamente, atingida não só pelas chuvas e por suas consequências, mas também pelo rejeito oriundo do rompimento da barragem, que ainda está depositado às margens e nos leitos dos rios Carmo e Gualaxo do Norte, e que foi carreado pelas fortes chuvas para o centro do município.